Clarice Lispector

Clarice Lispector

Seguidores

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Homenagem à poetisa Elza Fraga





Nossa homenagem à Poetisa Elza Fraga,
do Rio de Janeiro, que passa a integrar
a Academia de Artes e Poéticas Clarice Lispector


ODE AO UNIVERSO
(Elza Fraga)

Ave
que te quero Terra
florida
sem dores,
sem fome,
sem guerra.

Ave
que te quero Mar
A abraçar
os continentes
levando imponente
a passear
barcaças
nas suas correntes.

Ave
que te quero Ar
puro néctar
incolor a aspirar
e inspirar
pulmão e coração
de um mundo
mais decente.

Ave
que te quero Vida
vivida
para sempre plena
em cada canto
do universo,
armada,
defendida,
blindada
de versos!



TEMPO ESCORRIDO
(Elza Fraga)

O tempo galopa e foge
A vida nem tem sentido
Quando penso que está vindo
O chegar já está partindo.
O dia que vou vivendo
É passado num minuto
O futuro que viria
Invade o dia presente
E o que é
Já era
Quebra a rima
Pula o muro
E se vai, escapa, corre...
Foge vira lembrança


Eta vida que me escapa
E rouba a minha criança
E deixa em seu lugar
Esta mulher de olhar vago
Que nem mesma sei se existe
Perdidamente escondida
---------------------------
Escolhida pra ser triste



TEMPO PERDIDO
(Elza Fraga)

Partiu a menina
Ficou a moleca esquisita
Que nem quer ser mulher
Por medo
Se pudesse
Fincava o pé no caminho
E ficava parada
No meio do nada
Espectadora calada
A espreitar
A esperar
O momento
Certo
De capturar o tempo!



ORAÇÃO PARA ADORMECER
(Elza Fraga)

Todas as noites
antes de dormir
eu peço a Deus:
Senhor me dê sabedoria,
cara sem ruga,
vida sem memória,
livro sem história,
filho sem problema
casa toda limpa
com cheiro de alfazema.

Senhor,
me dê uma varinha de condão
pra consertar o que está
escrito no seu livro
a meu respeito
principalmente aquela parte
onde diz ‘vai doer’.

Senhor, se não puder
por tão grande ser a lista
me dê apenas olho
pra chorar
até secar a alma...
talvez isso baste
traga a calma
após o temporal
e eu adormeça em paz,
dia após dia,
noite após noite,
até o fim dos tempos.

Amém!


VIDA
(Elza Fraga)

Pobre, suja, desonrada,
pelos becos violada
por homens que nem tem rosto.
A dor, o ultraje, o desgosto
se transformam em semente.

Barriga cresce, aparece,
empina, torce, contorce
e espirra mais um ente
pra esta peste de vida...
Chega mais um pra desdita
enquanto o beco anoitece.

Demente canta cantigas
de lembranças esquecidas.
E chora ao tempo que ora
pedindo pra que esteja morto
o seu pobre anjo torto...

Mas os santos, adormecidos,
não ouvem o seu pedido
e então entre detritos
o vagido vira grito
urgência, fome de vida!

Tenta calar com um peito
seco, murcho e inútil veio.
E se consola a bendita
é só mais um nesta lida
com a tarefa maldita
de disputar com os ratos

espaço, teto e comida...


POEMA NOS OLHOS
(Elza Fraga)

Eu tive um poema nos olhos...
Espreitou-me a madrugada inteira.
Se delineou, se enfeitou, me envolveu...
As pressas se rompeu
-torto, não se escreveu!

Eu tive um poema nos olhos...
Absorto, calmo, contemplativo.
Me estreitou
-apertado
como abraço de amigo.
Deitou-se a cama comigo,
comigo adormeceu,
se esparramou, se perdeu,
mas teimoso
ainda assim não se escreveu!

Eu tive um poema nos olhos
que preferiu morar mudo
no fundo dos olhos secos
com pena do mundo!


RUMO AO NADA
(Elza Fraga)

Respiro a escuridão!
Sorvo dela cada gole
trazido pelo vento.

Olho pra frente
e só vejo
o intransponível muro,
parede imensa
feita de escuro.

Não há mais tempo.
Não há mais sorte.
Não há mais nada
nem mesmo morte!

Perdi - à toa -
a chave do futuro!

Não há mais uma condução
um trem, um bonde, um avião
que me transporte
só esta corrente negra
que me arrasta
quando passa
pro nunca mais.

Estaco exangue!

E ainda assim
não há uma só gota
de ódio
no meu sangue.


TERMINAL
(elza Fraga)

A tristeza
hoje,
impertinente,
me fatiou a alma
para sempre


APRESSAMENTO
(Elza Fraga)

Escondo no fio
da navalha
o frio
que a alma cala...
Medo
de desvendar
o segredo
da morte

Ou
Quiçá apressar
a nefanda
tenho fobia
a fila
que não anda


ECONÔMICA
(Elza Fraga)

Sou de palavra pouca
Falo com o olho,
economizo boca.


RELAXA

Para com isso moça
a vida é poça
que se pula
e num segundo

acaba o mundo!

.....................

8 comentários:

Rosany disse...

Parabéns!
Espaço mais que merecido. Reconhecimento.
Beijão

daniele disse...

PARABÉNS Elza
Suas poesias tem
Sensibilidade
Talento
Vida
e vc está num local mais que merecido!
beijos
Dani

Elza Fraga disse...

Quero agradecer sensibilizada as amigas Rosany e Daniele, sempre tão generosas com estes rabiscos desta poeta de alma triste.
E minha admiração e respeito
a Ana Felix Garjan por batalhar por paz, cultura, amor , solidariedade...
Aproveito para me desculpar por um errinho no teclar que deixei passar na revisão, talvez por pressa, rsrs.
Onde está:
com a tarefa maldita
de *desputar* com os ratos,
leia-se DISPUTAR.
Bitokitas iluminadíssimas pela nova era, aquário veio pra trazer a paz e a luz que tanto a gente pede.

Francisco Coimbra disse...

Parabéns de Portugal!
Bjs
F

Márcia Sanchez Luz disse...

Elza querida, parabéns pelo espaço alcançado e mais que merecido! Fico muito feliz por você, viu?
Seus poemas são lindos demais. Destaco aqui "Ode ao Universo" e "Oração para Adormecer". São poemas carregados de imagens intensas e ao mesmo tempo delicadas.

Beijos em seu coração,

Márcia

Marilea disse...

Elza querida, PARABÉNS!!!!
A homenagem é mais do que merecida.
É o reconhecimento de sua sensibilidade e talento poético.
Fiquei comovida com Ode ao Universo.
Bjs e carinhos meus.
Namastê!

José Matos disse...

Cara Elza, parabéns!
E parabéns também ao Cidade Artes do Mundo, por contar com tão preciosa colaboração!

Nada a Declarar disse...

Vou pro lugar comum, menina: Parabéns. Você se faz merecedora não dessa, mas de todas as homenagens.

Mesmo entendendo pouco de poesia, consigo enxergar o seu potencial literário. Seus contos fantásticos, suas histórias poetizadas. Muito bom!

Você merece.

Mirabilis

Mirabilis
Artforum Brasil XXI

Academia de Artes e Poéticas "Clarice Lispector"

Planeta, maio de 2008 -Academia de Artes e Poéticas "Clarice Lispector" - "Um espaço não vazio"....

A Academia de Artes e Poéticas "Clarice Lispector", é especial homenagem à escritora Clarice Lispector, nascida em 1920 e falecida em 1977. A literatura brasileira começou a viver uma revolução chamada Clarice Lispector, em sua época. Uma revolução que começou com o seu romance "Perto do Coração Selvagem", e que até hoje respira a alma de Clarice, que por sua vez inspira milhares de pessoas.

Estamos a exatos 12 anos do centenário de nascimento de Clarice e sua poética literária, que continua considerada como única em seu tempo (começo do século XX, quando com apenas 20 anos já manifestava suas posições e militância intelectual a favor da liberdade, dos direitos humanos, e contra a sociedade machista da época.

A obra literária de Clarice Lispector continua inspirando os estudos e teses sobre a alma humana, pois ela escrevia o que sentia, numa literatura existencial, numa prosa poética e urbana cheia de sentimentos intensos.

Clarice nasceu em plena fuga, na Ucrânia. Seus pais eram judeus e fugiam da perseguição religiosa da Rússia. Ela chegou com seus pais ao Brasil aos dois anos. Naturalizou-se brasileira e, com sua inquietude e angústia, transformou a literatura nacional para sempre.

Academia de Artes e Poéticas Clarice Lispector

Academia de Artes e Poéticas Clarice Lispector
Este espaço é a Primeira Academia Virtual em homenagem à pensadora, escritora e poeta que muito contribuiu com a história da literatura brasileira. Este espaço foi iniciado em maio de 2008, para homenagear a memória da escritora Clarice Lispector, bem como de outros autores e metres da literatura brasileira e internacional.

Este espaço cultural, poético e literário foi aberto em maio de 2008, como proposta apresentada no Fórum Internacional de Mulheres do Futuro pela Paz do Planeta.

Brasil, maio de 2008
Grupos ArtForum Brasil XXI
Projeto Universidade Planetária do Futuro
*

Fórum Internacional de Mulheres do Futuro pela Paz.

*

"Vamos Salvar A terra"
Vídeo by Ana Garjan & Luuh Designer

http://br.youtube.com/watch?v=lxAAWGKJpFU